ARTIGOS

Da próxima vez que estiver diante de uma decisão de fazer ou não fazer algo, questione-se: você age com autonomia?

 

Um dos comportamentos que as empresas mais desejam em seus funcionários atualmente responde pelo nome de Autonomia. Por definição, Autonomia é a condição de escrever as próprias normas (auto = próprio, nomos = norma, lei, gestão). Mas, cuidado, isso não significa que você vai fazer só que você quer. Significa fazer o que os outros esperam de você, mas não por medo de algum castigo ou pela expectativa de algum prêmio, e sim porque você entendeu a natureza do pedido, e decidiu atender.
 
Neste caso, você aceita a demanda porque a entendeu e a considerou correta. Quem obedece cegamente, sem se preocupar com a qualidade da norma ou do pedido, é chamado Heterônomo (hetero = diferente, o outro). Estes não decidem, só obedecem.
 
Autonomia, na vida cotidiana das empresas, tem o sentido de tomar atitudes e antecipar-se aos problemas. Um autônomo não fica esperando ordens, não se limita à sua função específica, nem se dedica a encontrar culpados. Simplesmente faz. Autônomo é um indivíduo que é motivado pelo sentido do dever. Ele decide o que deve ou não fazer, após interpretar a situação com que está lidando e, importante, assume a responsabilidade por sua decisão.
 
O psicólogo Lawrence Kohlberg identificou seis fases de amadurecimento entre a pessoa que é um mero repetidor de ordens e aquele que não espera ser mandado, que se posiciona como protagonista das pequenas histórias que compõem uma vida, e não como um mero títere que responde aos comandos de fios manipulados pela mão invisível do condicionamento.
 
São elas:
1-Medo da punição
2-Expectativa de recompensa
3-Expectativa de reconhecimento
4-Cumprimento do dever
5-Respeito ao Contrato Social
6-Princípios Universais da Moralidade
 
No último estágio, onde estão as pessoas verdadeiramente autônomas, o que se busca evitar é a autopunição, e a maior recompensa é o sentimento pessoal de ter feito o que era certo fazer.
 
É claro que autonomia requer maturidade, o que, não necessariamente tem a ver com idade. Tem a ver com consciência, com capacidade de análise crítica. As regras institucionais têm uma razão para existir, portanto devem se obedecidas, mas o melhor é quando as compreendemos e as aceitamos. Esse é o espírito do autônomo, aquele que se orienta mais pelo que deve fazer, do que pelo que pode fazer. Felizmente essas duas condições costumam vir juntas. Pelo menos nas boas empresas para se trabalhar.
 

Clique abaixo para acessar o conteúdo:
O que se pode e o que se deve

Estou feliz em ter você por perto.

Meu escritório oficial negocia todos os meus trabalhos, entrevistas e uso de imagem.

Para entrevistas, licenciamento de artigos ou outros tipos de consultas e parcerias, entre em contato!

2 + 6 =

11.3661.2765


11.96308-3239

developed by Indigoway

EUGENIO MUSSAK © 2018. Todos os direitos reservados.